segunda-feira, 11 de outubro de 2010

PERMITA-ME MORRER



Meus seios avisaram. Na doença do sexo, acabei-me.
Emagreci com manchas pelo corpo e a pneumonia insistente parou com meu vício.
Não imaginei, que o meu único prazer levaria minha vida.

E agora, grito por dentro, porque forças me faltam. Não há ninguém para escutar.
Abandonada na cama, palco de orgias.

Se tudo pode chocar.
A mim, nem as mulheres que eu me deitava...
Nem o líquido dourado invadindo minha boca. Porque porra é comum.
Nem vários homens me cobiçando e me dividindo grosseiramente juntos nessa cama...
Nessa cama... Que resta um corpo de pele e osso.

Nunca evitei os exageros, mas sim o látex porque me depreciava com alergias.
Desejei a morte muitas vezes, mas agora essa palavra me atinge estranhamente. Sem hipocrisia. Tenho medo.

A beleza me trouxe homens e mulheres aos meus pés.
Aproveitei-me para querer, ter e ser.
E  um mundo intenso surgiu diante da minha solidão.

Nenhum homem que antes beijava meu sexo, encoraja-se a me abraçar.
Meu perfume lúbrico confunde-se com o cheiro fétido da minha pele.
Já perdi a perfeição, me restaria o caráter, se tivesse.

Toda crueldade praticada é como o reflexo de um espelho...
Barbaridades multiplicadas me afetam
Não acredito em pecados
Sei o que é errado, tornei meu hábito e acredito no certo incerto.

Amei todos os homens e muitas mulheres.
Amei até aquele que já mortificado pela doença possuiu-me sem remorso.
Pela moléstia fatal e por ser meu PAI.

12 comentários:

  1. Forte? Sim, não nego. Estarrecedor? Talvez.. Improvável? Não...
    Mas o que eu diria do seu final?! Inspirado!
    Ótimo texto, intenso, vivo e forte!

    Beijo
    @JuSandres

    http://bocasmalditas.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Ah sim, esqueci de dizer que eu de primeira li: "Permita-me MORDER".
    Não sei porque, mas me lembrei na hora da minha amiga Menina Misteriosa! hahahahaha

    Beijos
    @JuSandres

    ResponderExcluir
  3. Uau!
    Como a Ju, eu li 'permita-me morder' e nem imaginava o quanto esse texto poderia me surpreender.
    Paty, já disse aqui que sua escrita está numa crescente, ganhando corpo e intensidade. E esse texto coroa magnificamente esse caminho...
    Gostei muito!
    Um beijo

    MeninaMisteriosa

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto. Forte, intenso e vivo, mesmo que descrevendo a morte.

    Ótimo resto de semana pra ti.

    =*** =)

    ResponderExcluir
  5. Estamos com uma promoção, confira!
    http://coisas-de-ninas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Um texto no mínimo instigante. Muito forte e cheio de emoção! Parabéns querida!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Vivo de intensidade e de morte! Forte texto, parabéns! Beijos.

    ResponderExcluir
  8. nossa..tanta intensidade, tanta paixão, para tanto fim... parabens

    ResponderExcluir
  9. sua ousadia com as palavras encanta e estremece!

    belíssimos seus prazeres verbais! :*

    ResponderExcluir
  10. Lembrou-me Marquês de Sade. Personagem quase pansexualista a sua. E que comprova a tese da efemeridade da beleza. O tempo não passa, quem passa somos nós, alguém me disse certa vez. Então, acho que podemos tentar passar bem.

    besos
    @paraquenomes

    ResponderExcluir
  11. A realidade em muitas situações é feia...triste e sem cor...estamos acostumados a maquiar a verdade...gostamos de ver e escutar só coisas agradáveis...
    Parabéns amiga, temos que aprender a nos deparar também com o outro lado... o lado escuro q a maioria oculta!Bjs Linda

    ResponderExcluir
  12. Dói na cara mas as vezes é necessário chocar pra acordar.Parabéns

    ResponderExcluir