quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

ENTRE VERDADES

Na boca devassa,
Dilacero os lábios.
Libidinosos.

Deslizo línguas,
Entre sorrisos,
Sem inocência.
Pecaminosos.

Seu toque desenha,
Meu corpo.
Descobre suavidade,
Mas não meus mistérios.

Massageia meu ego,
Usufruindo da minha beleza.
Perturbando meus desejos...

Permita-me amar,
Caminhar só.
Toda nua e quase sua.

Penetra-me, sem julgar-me.
Conheça-me, sem confundir-me.
Valorize-me, sem desprezar-me.
                 
                     ****  

Observo o mundo lá fora
E me perco.

Não quero criar um futuro,
Nem voltar ao passado.
Só viver um presente.

Sem modéstias,
Sem hipocrisias.

Revelar inteligência,
Em palavras escritas.
Sem pudor.
Com ou sem dor.

Permitir paixões,
Sensualidades.
Meu humor negro.

Revelar meu jeito de vestir,
Não perfeito.
Desejo nostálgico,
Por afeto.

Quero ser "meu eu"
Sem culpa.
Por ser simplesmente eu!