quarta-feira, 25 de maio de 2011

MUSA VINTAGE


"Uma musa, ao mesmo tempo que desperta admiração e desejo, provoca a ira pela inveja e desprezo".
Provocar, instigar... Pervertida só pelo fato de existir.

Tenho nome simples, comum, daqueles que anda na boca de quase todo mundo. "Ave Maria cheia de graça... Maria, mãe de Deus..." Nem sei mais, porque não rezo. Cantarolo meus pecados ás vezes, bem baixinho imaginando que o homem lá de cima nem vai  perceber.
Ingenuidade.

Em qualquer lugar minha entrada, sem exageros, é espetaculosa e os olhares se perdem nos meus quase 2 metros de altura.
Não fui eu que me intitulei MUSA, egocentrismo absurdo, mas aceito tantas bocas me chamarem assim.
Talvez da boca para fora saia tanta merda, sem deixar de ser um elogio que alimenta minha excentricidade. Levanto-me sobre os pés no salto de cabeça erguida.
Mas comigo levo a naturalidade. E quando me conhecem mais que um cabelo longo descobrem que por trás dos olhos azuis existe certa sensibilidade e os lábios carnudos tem tanta sinceridade nas palavras e gentileza na forma de pensar.
E a tal da inveja rebela-se em simpatia.
Porque eu sou MELHOR  que eu mesma. Superar-me todos os dias é difícil.
E quem cobiça MEU corpo tanto quanto SER meu corpo é que me faz MUSA.
Eu já quis ser baixinha, diminuir a boca, aumentar o seio, ser morena, cachear os cabelos. Mas o que realmente me faz diferente são as atitudes.

E a dignidade tem preço?
Me prendo em questionamentos e se me elevo em auto-estima não é o mesmo que ser vadia e vender-me por promessas, presentes e dinheiro. A troca nesses casos é fatal, SEXO.
Porque a beleza é traiçoeira e cheia de armadilhas.

Nando, nunca tive curiosidade em saber o nome completo. Melhor cliente da clínica, falante, inquieto em seu desejo indiscreto ao me encher de perguntas. Não era fiel a uma terapeuta só, gostava de diversificar a massagem relaxante. Experimentar cada toque, o meu ele dizia que era na medida certa, nem suave e nem forte demais.
Procurei sempre massagear com maior intensidade nos homens, porque o toque muito delicado excita. Satisfação imensa eu sentia quando a respiração pesada e o ronco acompanhava a música. Assim o "amiguinho" também comportado continuava entorpecido.

Mas Nando, não se continha ao me ver de uniforme branco, cabelo preso e as mãos passeando pelo seu corpo. E a voz denunciava a cobiça. O volume que crescia por baixo da toalha também. Meias palavras bastavam para eu perceber que era hora de terminar a massagem.
Cego em sua prepotência, acostumado a comprar, inclusive pessoas. Balançou algumas notas de cem reais, junto ao pênis já descoberto pela falta de escrúpulos, 500 reais para a felação.

Juntei uma a uma e o sorriso cheio de malícia perdeu-se ao ver as notas voando sobre seu corpo nu.
No dia seguinte estava desempregada.
Mas ainda com DIGNIDADE, porque essa não tem preço.
E por isso sou MUSA e só por isso.